Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Youtube adicionar aos favoritos RSS Partilhar imprimir

Logotipo Centro de Arte Graça Morais

OBRAS DA COLEÇÃO DE ARTE CONTEMPORÂNEA

DA PORTUGAL TELECOM

2013/04/13 a 2013/06/23
Obras da colec a o de arte contempora nea 1 980 2500

 

Balizada entre os anos 60 e a atualidade e constituída por cerca de duas centenas de obras, a Coleção de Arte Contemporânea da Portugal Telecom é representativa não só de uma polifonia autoral, mas também dos vários movimentos artísticos, escolas e poéticas que foram marcando e reconfigurando a arte contemporânea portuguesa dos últimos anos. A par da presença de autores consagrados, ligados aos movimentos artísticos das décadas de 1960 e 1970, cujo trabalho se cruzou, em alguns casos, com as estéticas então dominantes na cena artística internacional, é expressiva a relação de obras associadas ao fluxo criativo dos artistas da geração mais recente, representativa dos mais emergentes e promissores territórios autorais, alguns ainda em construção.
O núcleo de obras que agora se apresenta deriva de uma criteriosa seleção, não só reveladora da pluralidade de trajetórias e opções plásticas dos artistas nela representados, mas também da diversidade de modos de operar, articulando-se criações de domínios tão distintos como os da pintura e da escultura, do desenho e da fotografia, do vídeo e da instalação.
Sem parâmetros cronológicos rígidos, pois, mais do que os vários movimentos, pretende-se o enfoque na individualidade de cada uma das obras, ainda que, nesta momentânea coexistência, algumas possam aparecer agrupadas a partir de movimentos estéticos com os quais surgem comummente conotados ou pelas soluções estéticas que preconizam.
Para além da componente visual, sobressai a derivação de obras de artistas que, deixando de estar presos à opticalidade, convocam, a partir de outros campos de possibilidades e de sentidos, uma forte carga sinestésica, reivindicada na explícita contaminação que as obras realizam entre si no espaço arquitetónico. Exemplo disso são as resultantes de uma vertente mais experiencial e experimental, reconfiguradas por vezes a partir do cruzamento de géneros ou resultantes do recurso a dispositivos como o som, a palavra escrita ou falada, o movimento, a luz ou até mesmo aos mais inusitados materiais ou pouco usuais na tradição artística.

Alice Geirinhas, Álvaro Lapa, Ana Vieira, Ângelo de Sousa, António Palolo, Augusto Alves da Silva, Cristina Lamas, Eduardo Batarda, Fernando Brito, Fernando Calhau, Gerardo Burmester, Helena Almeida, João Pedro Vale, João Tabarra, João Vieira, João Vilhena, Joaquim Bravo, Joaquim Rodrigo, Jorge Martins, Jorge Molder, Júlia Ventura, Lourdes Castro, Martinha Maia, Miguel Leal, Miguel Soares, Paulo Mendes, Pedro Cabral Santo, Pedro Portugal, Pedro Proença, Rita Barros, Rui Serra, Sancho Silva e Xana

Comissário: Jorge da Costa
Produção: Fundação Portugal Telecom
              Câmara Municipal de Bragança
              Centro de Arte Contemporânea Graça Morais

img_1796
_mg_2797
img_1783
img_1763
img_1791
img_1767
dsc_2201