Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Youtube adicionar aos favoritos RSS Partilhar imprimir

Logotipo Centro de Arte Graça Morais

Alex Dorici

LINHAS DE PRODUÇÃO

2022/03/12 a 2022/09/04
Modular installation 431 whitebox 2  1 980 2500
Fotografia: António Maniscalco. Cortesia: Buchmann Gallerie

 

Curadoria: Jorge da Costa

Projetada sobre os mais diversos suportes, sejam uma tela ou um azulejo, um edifício, uma rua ou uma paisagem, a linha, ou o segmento de linha, é a matriz fundadora de toda a obra do lusodescendente Alex Dorici (Lugano, Suíça, 1979).
Dorici tem-se dedicado a uma persistente pesquisa no campo da criação artística, introduzindo e explorando constantemente novas possibilidades e novos materiais, transformando a sua obra num universo surpreendente e multifacetado, que vai da tradicional pintura sobre tela, às monumentais instalações site-specific.
O modo de atuar sobre as superfícies arquitetónicas, que domina hoje grande parte do seu trabalho, teve origem em formas tradicionais como a gravura e a pintura, mas sobretudo nas incursões que realizou pelo universo da Street Art.
As paredes, como o chão, o teto ou os vidros de uma janela, tornaram-se para Dorici os suportes primordiais das suas intervenções, questionando não apenas a noção de arquitetura, mas também as fronteiras entre a pintura, a escultura e a instalação.
Na sua abstração, as suas intervenções representam os distintos modos com que o artista interage com o espaço, evidenciando não apenas o despojamento dos materiais de que são feitas, como os seus processos construtivos, ao mesmo tempo que convocam a interação do visitante.
A variação de suportes é consentânea com o recurso a uma grande diversidade de materiais triviais, de uso comercial ou doméstico, mas produzidos industrialmente. Para além da recorrente fita adesiva azul, a prática artística de Dorici tem estado ancorada à utilização de outros materiais produzidos em série, como caixas de cartão, embalagens de plástico para água, azulejos, cordas navais fotoluminescentes, sacos de rede para fruta, película plástica ou até bolas de ténis, o que lhes acentua a dimensão de obra efémera.

 

Produção: Município de Bragança / Centro de Arte Contemporânea Graça Morais