Passar para o Conteúdo Principal
Facebook Youtube adicionar aos favoritos RSS Partilhar imprimir

Logotipo Centro de Arte Graça Morais

JOÃO LOURO

THE GREAT HOUDINI

2010/04/10 a 2010/06/25
Joa o louro 1 980 2500

 

O trabalho de João Louro (Lisboa, 1963) é destacadamente conceptual. Assume-se como um dispositivo estratégico de mediação crítica do real, explorando com alguma insistência o excesso e o poder da imagem e da palavra escrita nas sociedades ocidentais.

Considerado, por isso, um crítico “da economia simbólica que define a modernidade”, João Louro recorre muitas vezes a objectos, signos, imagens e situações da realidade, para lhe conferir novas significações, ainda que os modelos de referência de que se apropria mantenham a mesma aparência.

A convocação de elementos pré-existentes, combinados muitas vezes de forma inesperada para a criação de novas realidades, continua a constituir-se como dispositivo estruturante do seu trabalho. Por isso, as suas obras, mesmo as “blind images”, têm intrínseca, como problematização da experiência visual, uma multiplicidade de leituras e de sentidos que estão muito para além da obra física para qual o espectador é atraído.

A base da exposição que João Louro concebeu para Bragança, constituída maioritariamente por trabalhos inéditos, reside na forte ligação entre o espaço arquitectónico, concretamente o museológico, entendido como potenciador de uma linha de trabalho que convoca a arquitectura desse espaço como pele de uma outra arquitectura, que é o espaço intimista de uma casa: a casa de Curzio Malaparte. É, pois, para essa casa que se reinventa uma vivência, que entrecruza o cinema, a literatura e a própria arte.

Comissário: Jorge da Costa
Produção: Câmara Municipal de Bragança / Centro de Arte Contemporânea Graça Morais
Apoio: Galeria Fernando Santos / Galeria Cristina Guerra

joao_louro_3
dsc03238
dsc03237
joao_louro_4
joao_louro_1
dsc03242