Passar para o Conteúdo Principal

Logotipo Centro de Arte Graça Morais

GRAÇA MORAIS - DIÁRIOS SEM ORDEM

AS IMAGENS E AS PALAVRAS

18 Fev '17 a 04 Jun '17
Img 9678nnn 1 980 2500

 

O desenho, mais do que a pintura, que na obra de Graça Morais frequentemente se indistinguem, combinam ou sobrepõem, radicou sempre como atividade dorsal em todo o processo de criação.
Ao longo de mais de quarenta anos de carreira artística, a sua obra tem vindo a evoluir numa constante reinvenção, experimentação e até revisitação de temas e abordagens anteriores, ao mesmo tempo que vem mantendo, numa polaridade de opções e estratégias visuais, a unidade e a singularidade de uma obra que não para de nos surpreender.
Prova disso é a genealogia dos trabalhos que agora se apresentam, na sua maioria inéditos que, não obstante o campo fragmentário de temas e intervalos temporais que os originam, têm na associação da palavra escrita ao desenho e à pintura o denominador comum.
Sem qualquer pretensão ou filiação literária, Graça Morais tem vindo a realizar um conjunto muito diverso de escritos, seja como complemento do desenho, seja extrínseco ao trabalho pictórico que, em distintas ocasiões, tomaram a forma de diário.
No entanto, o registo diarístico nunca foi um ato metódico ou organizado para Graça Morais. Os seus diários vários sobrevêm, como refere, “pelo prazer de escolher cadernos, blocos, diversos papéis, que são a minha paixão. Os escritos sucedem-se sem ordem, num verdadeiro caos. Vou desenhando imagens, apontando ideias, pequenas frases.”
Ocasionais e sem a continuidade própria do género, estes trabalhos acontecem usualmente fora do habitual espaço de criação, materializados em diversos cadernos e blocos de papel ou pequenas folhas soltas.
São os sentidos que determinam o discurso, são o modo como a artista se interroga sobre assuntos tão diversos como os pequenos nadas do quotidiano, a arte, a condição humana ou a sua perceção do mundo.
A variação de suportes destes Diários sem Ordem é consentânea com a diversidade da gramática estilística, a que dá forma a partir do vigoroso desenho das figurações a carvão e a pastel, que combina e complementa com a palavra escrita, à qual se impõe, pelo imediatismo do gesto, uma opacificação do que é dito.

Curadoria: Graça Morais e Jorge da Costa
Produção: Município de Bragança / Centro de Arte Contemporânea Graça Morais